Destaque, Notícia

Programa Biodiversidade, Conservação e Comunidades (BIOCCOM) da SEMA tem projeto aprovado no edital do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD)

WhatsApp Image 2020-01-24 at 14.52.59O projeto Mais Conservação e Biodiversidade no Maranhão, que integra o Programa Biodiversidade, Conservação e Comunidades – BIOCCOM, e elaborado pela Superintendência de Economia Verde da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA) foi submetido ao edital do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD), do Ministério da Justiça e selecionado para as ações a serem executadas em 2020 e 2021.

O projeto visa fortalecer a gestão ambiental das unidades de conservação e terras indígenas do estado do Maranhão. Segundo Sayd Saidan, superintendente de economia verde, o projeto une três importantes premissas: “Bioccom significa biodiversidade, conservação e comunidade. Pensando nesses três fatores, os quais compõem fortemente a realidade do estado do Maranhão, é que surgiu a ideia de submeter um projeto ao Fundo de Direitos Difusos do Ministério da Justiça. O projeto foi intitulado: Mais conservação em biodiversidade do Maranhão”.

O objetivo é o fortalecimento da gestão ambiental nas Unidades de Conservação através da formalização dos Conselhos de Meio Ambiente e o envolvimento das Prefeituras Municipais. O Projeto trabalhará as seguintes metas:

  • Estruturação de unidades de Gestão Ambiental e Economia Verde que tem por finalidade fortalecer as parcerias com os municípios e criação de um espaço físico que dê suporte a ação dos conselhos de meio ambiente: serão comprados veículos, barcos e todos os materiais de escritório para saber de suporte as atividades nas unidades de conservação;
  • Diagnóstico socioeconômico e ambiental das comunidades que estão inseridas no interior e entorno das unidades de conservação; será ainda realizado uma cartografia social nas comunidades inseridas nas unidades de Ambiental da Baixada Maranhense, dos Morros garapés, os pequenos lençóis e a Terra indígena Arariboia;
  • Formação de agentes de meio ambiente e Economia Verde; Oficinas de valoração de serviços ambientais que deverá subsidiar projetos de PSA: neste item serão formados duzentos e quarenta agentes;
  • A implantação de doze viveiros e trinta e seis unidades de referências tecnológicas de Sistemas Agroflorestais e integração lavoura, pecuária e floresta. Serão realizadas oficinas de valorização dos serviços ecossistêmicos como base para o desenvolvimento de projetos de  Pagamento por Serviços Ambientais (PSA);
  • Implantação de unidades de referência de Sistemas Agroflorestais- SAF e Integração Lavoura Pecuária e Florestas -ILPF além da implantação de 12 Viveiros para a produção de mudas e seis unidades de referências tecnológicas de Sistemas Agroflorestais e integração lavoura, pecuária e floresta.

O pagamento por serviços ambientais, fecha, portanto, o conjunto de ações estruturantes previstas no projeto. O projeto deverá promover um cenário de desenvolvimento sustentável para o Maranhão.

SAIBA MAIS

A Superintendência de Economia Verde atua na articulação e promoção da economia verde como catalisadora do crescimento e erradicação da pobreza maranhense. Os setores da economia fortemente ligada à natureza e seus recursos são os principais objetos desta superintendência, propiciando e fortalecendo os meios para a promoção do crescimento econômico e da sustentabilidade ambiental ao gerar emprego e renda que evitem riscos ambientais, minimizem os impactos da mudança climática, a escassez de água e a perda da biodiversidade e de serviços ecossistêmicos.

Redação: Verônica Ramos
Arte: Pedro Anchieta