Destaque, Notícia

Educação Ambiental, Pandemia e Consumo Responsável de Alimentos

Você já observou que compramos muito mais do que necessitamos?

Em tempos difíceis, como os que vivemos atualmente, em meio a uma pandemia mundial do COVID-19, passamos a refletir sobre nossos hábitos, inclusive alimentares.

Tornaram-se mais atentas as idas aos supermercados. Assunto de primeira necessidade!

Em meio a tudo isso, como correlacionaríamos o consumo responsável de alimentos, a pandemia em que nos encontramos e a nossa convivência no planeta?

Precisamos reinventar não somente nossas receitas de bolo, mas reinventar a nós mesmos.

Os três, cinco, sete erres da sustentabilidade estão a cada dia mais necessários: Repensar, Recusar, Reduzir, Reparar, Reutilizar, Reintegrar e Reciclar.

Reintegrar em nossos quintais as cascas e sementes do que comemos, mas principalmente, nos reintegrar com o planeta em que vivemos, sendo gratos pelo o que a Terra nos proporciona diariamente.

Recusar comprar produtos excessivamente caros. Mas, principalmente, recusar comprar aquilo que não necessitamos.

Diariamente é despejado nos aterros e “lixões” de todo o mundo 1/3 (um terço) da produção de alimentos mundial. Segundo a ONU, o equivalente a 1,3 bilhões de toneladas, o que também significaria, conforme declara a Organização, a perda de recursos, como água e terra. Para a ONU, acabar com o desperdício nos auxiliará a mitigar a mudança climática.

Nesse momento, nos reinventamos na cozinha, criando receitas, reutilizando os alimentos do almoço, sendo artífices de uma pequena sustentabilidade, ainda que doméstica. Mas nos reinventamos quanto ao nosso modo de vida?

Cada alimento que entra em nossa casa necessita de vários litros de água para a sua produção. A ONU denomina de água invisível este bem necessário para a produção alimentar. Segundo estudos, uma pessoa “consome diariamente de 2 a 5 mil litros de água invisível” contida nos alimentos.

A rede waterfootprint apresenta o seguinte consumo de água nos processos produtivos até chegar as nossas mesas: 1kg de carne bovina gastaria 15.415,00 litros de água;1 kg de carne de porco quase 6 mil litros de água e frutas, em geral, gastariam 962 litros/quilo.

Novas fronteiras agropecuárias continuam sendo abertas mundialmente, principalmente nos países em desenvolvimento, sob a alegação de serem necessárias para alimentar a fome do mundo. Essa estória já antiga e na qual sabemos não ser bem assim, pode ser revista tanto com a eficiência na produção, aumentando a produtividade nas áreas já abertas, quanto pelo consumo consciente de alimentos.

Consumidores conscientes proporcionam menos impacto ambiental. Tornando-nos conscientes, indiretamente auxiliaremos no ordenamento das cadeias de produção, tornando-as mais justas, solidárias e sustentáveis.

Enquanto compramos compulsivamente, alguns sob alegação de confinamento, vamos desperdiçando não somente os alimentos, mas os recursos naturais que foram necessários para a produção, e privamos parte da população de consumi-los.

Sejamos gratos e não tomemos para si além do necessário para nos alimentar. Se há desperdício de alimentos nas casas de uns, certamente está havendo carência nos lares de outros.

Isabel Camizão, Engenheira Florestal

Analista Ambiental da Superintendência de Educação AmbientalSEMA

Arte: Marcos Caldas