Destaque, Notícia

Dia Nacional de Luta dos Catadores de Materiais Recicláveis

Arte: Pedro Anchieta
Foi no dia 07 de junho de 2001 que 3 mil pessoas tomaram as ruas a Esplanada dos Ministérios em Brasília reivindicando os direitos dos catadores de materiais recicláveis. Foi na rua, fazendo barulho, que o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) surgiu cravando com luta a semente de um novo mundo mais justo e sustentável. Por isso, o dia 07 de Junho é DIA NACIONAL DE LUTA DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS, é dia de mobilização nacional.
Fonte: mncr.org.br
Desde o Congresso, o movimento começa a impulsionar a luta dos catadores em todo o Brasil lançando a Carta de Brasília, documento que expressa as necessidades do povo que sobrevive da coleta de materiais recicláveis. No ano de 2003 acontece o I Congresso Latino-americano de Catadores em Caxias do Sul – RS, que reuniu catadores de diversos países da América – Latina. O Congresso divulga então a Carta de Caxias que difunde a situação dos catadores da América – Latinaunificando a luta entre os países. Nesse momento o MNCR começa a mostrar sua força nacionalmente. Muitas lutas foram travadas em todo o Brasil e muitas conquistas alcançadas. Em 2005 ocorreu o II Congresso Latino – Americano de Catadores, com cerca quatro anos de luta, os catadores do Brasil têm sua problemática discutida em diversos espaços e sua voz ampliada no Movimento Nacional dos Catadores. Isso se deu não pelo acaso, mas pelo esforço dos lutadores do MNCR. A categoria é historicamente excluída da sociedade e muitos catadores ainda sobrevivem de forma precária em lixões e nas ruas. Desde o surgimento do MNCR ampliou-se a luta dos catadores por dignidade, considerando que o trabalho de coleta de materiais recicláveis significa garantir alimentação, moradia e condições mínimas de sobrevivência para uma parcela significativa da população brasileira, que vive a margem da sociedade de consumo. Um povo que apesar das dificuldades, que são imensas, resistem e lutam dia a dia pela vida. Pelo direito de sobreviver. Fonte: mncr.org.br